Tópicos » Desnutrição Relacionada a Doença » Artigos » O impacto econômico da desnutrição relacionada à doença na América Latina

O impacto econômico da desnutrição relacionada à doença na América Latina

A desnutrição relacionada à doença (DRD) é um problema amplamente negligenciado em pacientes hospitalizados em todo o mundo.1,2 Somente na América Latina, até 60% dos pacientes estão desnutridos na admissão hospitalar.3 Muitas vezes, o tratamento desses pacientes se concentra na própria doença, enquanto a terapia nutricional continua sendo uma baixa prioridade. Como resultado, o estado nutricional do paciente se deteriora, diminuindo a recuperação e aumentando o tempo de internação hospitalar, a morbidade e a mortalidade.1 A falha em fornecer uma terapia nutricional adequada coloca o paciente em risco e aumenta o uso de recursos de saúde.

Um estudo recentemente publicado por Correia et al (4) sugere que isso impõe um enorme encargo financeiro ao sistema de saúde. O estudo estima que o custo das complicações relacionadas à desnutrição em oito países da América Latina é de US $ 10,2 bilhões a cada ano, representando 3% do total de gastos com saúde nesses países. Além disso, foi demonstrado que pacientes adultos criticamente doentes (em Unidade de Terapia Intensiva – UTI) são responsáveis ​​por uma parcela desproporcional dos custos, uma média 6,5 ​​vezes maior do que os custos relacionados à desnutrição para os pacientes de enfermaria.4

Quando a nutrição clínica é indicada, a nutrição enteral (NE) é recomendada para tratar ou prevenir a desnutrição em pacientes de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que não conseguem se alimentar por via oral.5,6 No entanto, a NE sozinha pode não fornecer energia e nutrientes suficientes e consequentemente , os objetivos nutricionais não são alcançados. Na América Latina, foi demonstrado que 40% dos pacientes da UTI não atingem suas necessidades diárias de energia usando NE. A infusão intravenosa adicional, denominada nutrição parenteral suplementar (SPN), é uma forma de melhorar o fornecimento de energia e proteína.7 Em pacientes com oferta insuficiente de NE, o SPN pode influenciar positivamente o tempo de internação e a taxa de complicações infecciosas.8

Correia et al. investigaram o uso do SPN em pacientes da América Latina com ingestão inadequada de NE e encontraram que, em média, o SPN pode reduzir os custos em US$ 194,5 por paciente.4 No total, essa economia pode chegar a US$ 10,2 milhões a cada ano. A redução de custos foi realizada pela menor necessidade de terapia com antibióticos e menor tempo de permanência na UTI e na enfermaria. Portanto, o SPN apresenta um grande potencial para reduzir os custos relacionados à desnutrição em pacientes adultos criticamente doentes que não recebem suporte nutricional adequado apenas da NE.

 

Em resumo, o estudo concluiu que o DRD impõe um impacto econômico substancial aos países da América Latina. A nutrição parenteral suplementar (SPN) pode ser uma boa estratégia para melhorar o estado nutricional do paciente e os resultados clínicos em pacientes hospitalizados. Além disso, economias significativas podem ser obtidas com a adoção do SPN como estratégia terapêutica em pacientes criticamente doentes que não recebem a ingestão adequada de nutrientes da NE. 4

Para mais informações, encontre o estudo completo aqui:https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13696998.2018.1500371

Artigo do site baseado no seguinte documento:

Impacto econômico da desnutrição hospitalar e o custo-benefício da suplementação parenteral em pacientes criticamente doentes na América Latina

Correia et al. J Med Econ. 2018.

Referências bibliográficas:
  1. Norman K, Pichard C, Lochs H, Pirlich M. Prognostic impact of disease-related malnutrition. Clin Nutr 2008; 27(1):5–15.
  2. Konturek PC, Hermann HJ, Schink K, Neurath MF, Zopf Y. Malnutrition in Hospitals: It Was, Is Now, and Must Not Remain a Problem! Med Sci Monit. 2015; 21: 2969–75.
  3. Correia MITD, Perman MI, Waitzberg DL. Hospital malnutrition in Latin America: A systematic review. Clin Nutr 2017; 36(4):958–67.
  4. Correia MITD, Perman MI, Pradelli L, Omaralsaleh AJ, Waitzberg DL. Economic burden of hospital malnutrition and the cost-benefit of supplemental parenteral nutrition in critically ill patients in Latin America. J Med Econ 2018:1–10.
  5. McClave SA, Taylor BE, Martindale RG, et al. Guidelines for the Provision and Assessment of Nutrition Support Therapy in the Adult Critically Ill Patient: Society of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for Parenteral and Enteral Nutrition (ASPEN). JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2016;40(2):159-211.
  6. Singer P, Blaser AR, Berger MM, et al. ESPEN guideline on clinical nutrition in the intensive care unit. Clin Nutr. 2018 Sep 29. pii: S0261-5614(18)32432-4.
  7. Vallejo KP, Martínez CM, Matos Adames AA, et al. Current clinical nutrition practices in critically ill patients in Latin America: A multinational observational study. Crit Care 2017; 21(1):227.
  8. Pradelli L, Graf S, Pichard C, Berger MM. Supplemental parenteral nutrition in intensive care patients: A cost saving strategy. Clin Nutr 2018; 37(2):573–9.