Tópicos » Nutrição Clínica » Artigos » Qual é a recomendação de lipídios para pacientes em terapia nutricional enteral

Qual é a recomendação de lipídios para pacientes em terapia nutricional enteral

Visitando paciente médico sênior

Com uma densidade energética de aproximadamente 9 kcal/g, os lipídios são ótimas fontes calóricas. Também são a principal forma de armazenamento de energia no corpo humano.

Não é à toa que, junto com as proteínas e os carboidratos, eles são considerados macronutrientes essenciais para qualquer dieta balanceada.

Dessa forma, os lipídios também estão presentes na nutrição enteral – opção terapêutica utilizada quando a alimentação oral não é adequada ou não é possível para o paciente, como casos de dificuldade para engolir e de risco de aspiração dos alimentos.

A Associação Médica Brasileira preconiza que pacientes em condições normais que necessitem de terapia enteral exclusiva recebam formulações com 20% a 35% de seu volume em lipídios. A diretriz afirma também que não se deve ultrapassar 2,5g/kg/dia para minimizar o risco de complicações metabólicas.

Essas proporções, no entanto, podem ser alteradas de acordo com o estado clínico do paciente e suas necessidades médicas e nutricionais1.

Por isso, conhecer essas condições é fundamental para optar pelas formulações enterais mais adequadas para cada pessoa, que apresentem melhor custo-benefício, potencializem a resposta do organismo e ampliem as possibilidades de sucesso na terapia nutricional.

Propriedades funcionais e metabólicas dos lipídios

  • Fornecimento e estoque de energia com alta densidade calórica;
  • Produção de hormônios;
  • Composição de estruturas celulares (ex.: membrana fosfolipídica);
  • Veículos para transportar vitaminas lipossolúveis;
  • Fornecem ácidos graxos essenciais (ômega 6 e ômega 3);
  • Proteção mecânica aos ossos e órgãos;
  • Proteção térmica do organismo;

Leia também: Desnutrição relacionada à doença


Papel dos lipídios em terapia enteral

Lesão por pressão

Um dos fatores que preocupam cuidadores de pacientes acamados ou com baixa mobilidade é o surgimento de lesões por pressão. Além do desconforto que provocam, elas podem ser portas abertas para infecções, especialmente em idosos, que apresentam maior fragilidade da pele e dificuldade de cicatrização2.

A terapia nutricional é fundamental para fornecer a matéria-prima para recuperar o tecido da pele – e os lipídios entram nessa força-tarefa. Um estudo feito com pacientes em uso de dieta enriquecida com os lipídios ácido eicosapentaenoico e ácido gamalinolênico, além das vitaminas A, C e E, verificou que houve menor número de novas lesões por pressão e estabilização na evolução das lesões pré-existentes2,7.

Diabetes

O uso de fórmulas enterais especializadas para diabetes mellitus vem sendo adotado cada vez mais e com evidências de melhor controle glicêmico e menor necessidade diária de insulina. Para atingir esse resultado, além de modificações no teor e características dos carboidratos e de aumento de fibras, essas formulações especializadas apresentam maior proporção de gorduras totais. Essas fórmulas têm sido desenvolvidas com maiores teores de ácidos graxos monoinsaturados e menores de ácidos graxos poli-insaturados e saturados5,6.

Com essa composição, o objetivo é reduzir a velocidade com que o alimento é digerido, aumentar a absorção de nutrientes e diminuir as chances de haver hipoglicemia ou hiperglicemia (queda ou aumento bruscos nos níveis de glicose no sangue). Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, essa opção reduz a mortalidade e os gastos hospitalares na UTI5,6,8.

Pneumopatas

Fórmulas enterais com menores quantidades de carboidratos e maiores de lipídios também são favoráveis para casos de falência pulmonar crônica. Como a recomendação para esses pacientes é restringir o volume de fluidos, uma dieta rica em lipídios consegue entregar as calorias necessárias com maior densidade. Assim, busca-se melhorar a função dos músculos que controlam a respiração, prevenir a produção excessiva de gás carbônico e prevenir ou encurtar o tempo de dependência da ventilação mecânica5.


Leia também: Nutrindo pacientes graves com COVID-19: 7 meses de desafios e aprendizados


Lipídios imunomoduladores

Alguns lipídios merecem atenção especial por serem imunomoduladores – ou seja, nutrientes que auxiliam a resposta imunológica e diminuem o processo inflamatório. O ácido graxo ômega 3 é um lipídio que tem esse papel4.

Ômega 3 na oncologia

O ômega 3 vem sendo investigado por seu potencial terapêutico no combate a alguns tipos de câncer9. Apesar de serem necessárias pesquisas mais aprofundadas, há indícios de que a suplementação de ômega 3 é benéfica em pacientes oncológicos com anorexia e perda de peso, reduzindo a perda proteica. As diretrizes da Sociedade Europeia de Nutrição Clínica e Metabolismo (Espen) para pacientes oncológicos discutem o uso de ômega 3 para o tratamento de caquexia do câncer3,10.

Ômega 3 e caquexia

A caquexia é uma condição em que o paciente apresenta perda de peso intensa (e involuntária), ficando exposto à desnutrição e a prejuízos da perda de massa muscular e lipídica. Segundo a Sociedade Brasileira de Nutrição Enteral e Parenteral, a conduta nutricional de pacientes com caquexia deve se basear em uma dieta hipercalórica e hiperproteica na tentativa de estabilizar ou recuperar o estado nutricional. Os estudos com ômega 3 para esses casos ainda são controversos e eventuais suplementações devem ser avaliadas com cautela4.

Ômega 3 na recuperação de cirurgias

O ômega 3, associado a outros nutrientes com função imunológica (como arginina e nucleotídeos) é recomendado para uso por via enteral no preparo e após cirurgias de médio e grande porte. Existe nível de evidência moderado para fórmulas hiperproteicas com imunonutrientes (arginina, ácidos graxos ômega-3 e nucleotídeos), por via oral ou enteral, na quantidade mínima de 500ml/dia no período perioperatório, iniciando de 5 a 7 dias antes da cirurgia. Com essa conduta, visa-se reduzir complicações e o tempo de permanência hospitalar4.

Leia mais artigos sobre nutrição clínica aqui.

 

Referências

  1. Recomendações Nutricionais para Adultos em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral. Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Sociedade Brasileira de Clínica Médica; Associação Brasileira de Nutrologia. 2011. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/9_volume/recomendacoes_nutricionais_de_adultos_em_terapia_nutricional_enteral_e_parenteral.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. Gonçalves T. J. M. et al. Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no envelhecimento. 3º Suplemento Diretrizes BRASPEN de Terapia Nutricional 2019 v.34. 2-58. Disponível em: https://nutritotal.com.br/pro/wp-content/uploads/sites/3/2019/11/Material-1-diretriz-TN-no-envelhecimento.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. OLIVEIRA, R. S. Suplementação de ácido graxo poliinsaturado ômega 3 e o câncer. SBNO. Disponível em: https://sbno.com.br/suplementacao-de-acido-graxo-poliinsaturado-omega-3-e-o-cancer/. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. HORIE, L. M. et. al. Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no paciente com câncer. BRASPEN J. 2019; 34 (Supl 1):1-32. Disponível em: https://f9fcfefb-80c1-466a-835e-5c8f59fe2014.filesusr.com/ugd/a8daef_19da407c192146e085edf67dc0f85106.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. CARDOSO, M. G. C.; PRATES, S. M. S.; ANASTÁCIO, L. R. Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil: levantamento e classificação. BRASPEN J. 2018; 33 (4): 402-17. Disponível em: http://arquivos.braspen.org/journal/out-dez-2018/08formulas.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

  1. CAMPOS, L. F. et al. Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no diabetes mellitus. BRASPEN J. 2020; 35 (Supl 4): 2-22. Disponível em: https://f9fcfefb-80c1-466a-835e-5c8f59fe2014.filesusr.com/ugd/66b28c_77ee5a91b6d14ade864fe0c091afde8c.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

  1. Theilla, M. et al. A diet enriched in eicosapentanoic acid, gamma-linolenic acid and antioxidants in the prevention of new pressure ulcer formation in critically ill patients with acute lung injury: a randomized, prospective, controlled study. Clin Nutr. 2007;26(6):752-7. Disponível em: https://www.clinicalnutritionjournal.com/article/S0261-5614(07)00123-9/fulltext. Acesso em: 05 ago. 2021.

  1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2017-2018). São Paulo: Editora Clannad; 2017. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4232401/mod_resource/content/2/diretrizes-sbd-2017-2018%281%29.pdf Acesso em: 05 ago. 2021.

  1. FREITAS, R. D. S; CAMPOS, M. M. Protective Effects of Omega-3 Fatty Acids in Cancer-Related Complications. Nutrients. 2019 Apr 26;11(5):945. Disponível em: https://www.mdpi.com/2072-6643/11/5/945/htm. Acesso em: 05 ago. 2021.

  1. Muscaritoli, M. et al. ESPEN practical guideline: Clinical Nutrition in cancer. Clinical Nutrition 40 (2021) 2898-2931. Disponível em: https://www.espen.org/files/ESPEN-Guidelines/ESPEN-practical-guideline-clinical-nutrition-in-cancer.pdf. Acesso em: 05 ago. 2021.