Tópicos » Nutrição Parenteral » Artigos » Oligoelementos na nutrição parenteral: qual é a importância?

Oligoelementos na nutrição parenteral: qual é a importância?

Funções do oligoelementos


Leia também: Qual é a importância dos micronutrientes em nutrição parenteral?


Principais causas de deficiência de oligoelementos1

Causa

Efeito

Doenças ou traumas específicos

Podem reduzir a capacidade de ingestão alimentar

Uso prolongado de antibióticos

Altera a microbiota intestinal, afetando a síntese e a disponibilidade de nutrientes, especialmente vitaminas

Estresse metabólico

Aumenta a utilização de nutrientes nos processo do metabolismo intermediário e oxidativo

Diarreia, sonda, fístula e/ou diálise

Promovem a perda de nutrientes hidrossolúveis

Grandes queimaduras

Ocorre perda elevada de minerais como zinco, cobre e selênio

Estados inflamatórios

Pode haver liberação intracelular e excreção urinária de minerais importantes, especialmente zinco


Leia também: Nutrição parenteral intradialítica (NPID) contribuindo com a melhora do estado nutricional


Recomendações para a administração diária de minerais em nutrição parenteral5

Oligoelemento Recomendações da ASPEN de 2012 América do Norte para formulação em Nutrição Parenteral6 Diretrizes de oligoelementos AuSPEN de 2014 Austrália e Nova Zelândia7 Diretrizes 2016 da ESPEN para Falência Intestinal crônica em adultos8 Recomendação de consenso para oferta de oligoelementos na Nutrição Parenteral 20195
Zinco (Zn) 39–76 μmol (2,5–5 mg) 50–100 μmol (3,2–6,5 mg) 38-61 μmol (2,5-4mg) 39-100 μmol (2,5-6,5 mg)
Cobre (Cu) 4,7–7,8 μmol (300–500 μg) 5–8 μmol (317–508 μg) 4,7–9,6 μmol (0,3–0,5 mg) 4,7–9,6 μmol (300–610μg)
Selênio (Se) 0,75-1,25 μmol (60-100 μg) 0,75-1,25 μmol (60-100 μg) 0,2–0,8 μmol (16–63 μg) 0,25-1,25 μmol (20–100 μg)
Manganês (Mn) 1 μmol (55 μg) 1 μmol (55 μg) 1,1-1,8 μmol (60-100 μg) 1–1,8 μmol (55–100 μg)
Ferro (Fe) Sem recomendação de rotina nos Estados Unidos 20 μmol (1,1 mg) pode não ser necessário 17,9 mmol (1 mg) 1–1,2 mg quando há indicação
Cromo (Cr) 0,2–0,3 μmol (10–15 μg) 0,2–0,3 μmol (10–15 μg) pode não ser necessário Sem recomendação 0,2–0,3 μmol (10–15 μg)
Molibdênio (Mo) Sem recomendação de rotina nos Estados Unidos 0,2 μmol (19 μg) provavelmente não é necessário Sem recomendação Sem recomendação
Iodo (I) Sem recomendação de rotina nos Estados Unidos 1 μmol (126 μg) 0,5-1,2 μmol (70-150 μg) 0,5-1,2 μmol (70-150 μg) quando há indicação

Gostou desse artigo? Leia mais sobre Nutrição Parenteral aqui.

Referências

  1. CARVALHO, W. B. Necessidades de micronutrientes em nutrição parenteral. Rev. Assoc. Med. Bras. 49 (2). Jun. 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302003000200021. Acesso em: 24 jun. 2021.
  1. SeyffaA. S. Os alimentos: calorias, macronutrientes e micronutrientes. Manual do Profissional SBD 2007 c.1 1-7. Disponível em: https://crn5.org.br/wp-content/uploads/2013/05/Manual-Calorias-Macronutrientes-e-Micronutrientes.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.
  1. CASTRO, M.L. et al. Posicionamento BRASPEN sobre o uso de micronutrientes via parenteral em adultos. BRASPEN J 2021; 36 (1): 3-19. Disponível em: https://wdcom.s3.sa-east-1.amazonaws.com/hosting/braspen/journal/2021/journal/jan-mar-2021/artigos/01-Posicionamento-BRASPEN.pdf

  1. Recomendações Nutricionais para Adultos em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral. Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Sociedade Brasileira de Clínica Médica; Associação Brasileira de Nutrologia. 2011. Disponível em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/recomendacoes_nutricionais_de_adultos_em_terapia_nutricional_enteral_e_parenteral.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.
  1. BLAAUW, R. et al. Parenteral Provision of Micronutrients to Adult Patients: An Expert Consensus Paper. American Society for Parenteral and Enteral Nutrition, 2019. Disponível em: https://aspenjournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/jpen.1525. Acesso em: 15 ago. 2021.
  1. VANEK, V.W., et al. A.S.P.E.N. position paper: recommendations for changes in commercially available parenteral multivitamin and multi-trace element products. Nutr Clin Pr. 2012 ; 27: 440 – 491. Disponível em: https://aspenjournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1177/0884533612446706. Acesso em: 15 ago. 2021.
  1. OSLAND, E.J. et al. Australasian Society for Parenteral and Enteral Nutrition guidelines for supplementation of trace elements during parenteral nutrition. Asia Pac J Clin Nutr. 2014;23(August):545-554. Disponível em: https://search.informit.org/doi/abs/10.3316/ielapa.873486242782104. Acesso em: 15 ago. 2021.
  1. Pironi, L.; Arends, J.; Bozzetti, F. et al. ESPEN guidelines on chronic intestinal failure in adults. Clin Nutr. 2016;35:247-307. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26944585/. Acesso em: 15 ago. 2021.