Tópicos » Nutrição Parenteral » Artigos » Qual é a importância dos micronutrientes em nutrição parenteral?

Qual é a importância dos micronutrientes em nutrição parenteral?

Vitaminas e minerais

Todas as pessoas precisam ingerir não apenas os macronutrientes (carboidratos, proteínas e lipídios), mas também os micronutrientes (ou oligoelementos).

Vitaminas e minerais são micronutrientes fundamentais para o bom funcioncionamento do organismo. Apenas para citar algumas de suas funções, eles atuam nas reações energéticas, regulam as funções celulares, o sistema imunológico, são necessários para o crescimento e a reprodução celular e estão envolvidos na transmissão dos impulsos nervosos1,2,3,4.

Muitas vezes, além do aporte regular de micronutrientes, é necessário reforçar seu uso para repor uma deficiência, que pode decorrer de doenças ou traumas específicos, de situações em que o paciente não consegue se alimentar ou do uso prolongado de antibióticos que alteram a microbiota intestinal, por exemplo. Outras vezes a causa é o estresse metabólico ou a perda de nutrientes por diarreia, sonda, fístula e/ou diálise1.

Em pacientes que recebem nutrição parenteral, os micronutrientes também são fundamentais. Um tratamento de nutrição parenteral completo inclui uma combinação ideal de glicose, aminoácidos e lipídios em conjunto com a adição de micronutrientes.

5 funções dos micronutrientes

  1. Promover a cicatrização de feridas2,4;
  2. Aumentar a capacidade antioxidante2;
  3. Apoiar o sistema imunológico2,4;
  4. Agir como cofatores e coenzimas (importantes para o processo de catalisação – transformação em energia)5;
  5. Beneficiar o metabolismo dos macronutrientes3,5.

Confira a seguir as funções de cada grupo6.

Vitaminas lipossolúveis

  • São importantes para a integridade da visão e do tecido epitelial, para o sistema imunológico e para a integridade óssea, além de terem função antioxidante2.
  • São exemplos de vitaminas lipossolúveis as vitaminas A, D, E e K.

Vitaminas hidrossolúveis

  • As vitaminas do complexo B participam do metabolismo de macronutrientes;
  • O ácido fólico atua na prevenção da anemia e na redução da homocisteína (a presença de grande quantidades de homocisteína no sangue pode elevar o risco de doenças cardiovasculares);
  • A vitamina C é importante para a sínteses de colágeno e carnitina, além de ter ação antioxidante2.

Minerais

São fundamentais para a integridade óssea, cicatrização, regulação do sistema imunológico, coagulação sanguínea, contração muscular, manutenção da pressão arterial e prevenção de anemia2.

Micronutrientes em nutrição parenteral

As preparações comerciais de minerais e vitaminas para nutrição parenteral fornecem doses padronizadas, com quantidades superiores aos requisitos basais. Isso porque costumam ser destinadas a pacientes que já estão nutricionalmente deficientes ou que estão com risco significativo de sofrer grandes perdas nutricionais. Vale lembrar, no entanto, que é fundamental o monitoramento e avaliação individualizada de cada paciente, sendo possível a realização de ajustes sempre que necessário.

Situações em que os micronutrientes fazem diferença

São muitas as condições clínicas em que os micronutrientes atuarão e, em cada pessoa e situação, eles exercerão um papel. Para compreender melhor a importância, podemos citar dois exemplos.

Prevenção da síndrome de realimentação

Uma função importante dos micronutrientes em nutrição parenteral é prevenir a chamada “síndrome de realimentação”. Ela pode ocorrer devido a complicações metabólicas em pacientes com desnutrição grave que começam a ser alimentados pela via parenteral.

Como exemplo, a infusão muito rápida de carboidratos pode resultar em um rápido esgotamento de tiamina (vitamina B1), levando à cardiomiopatia e/ou encefalopatia de Wernicke. Portanto, de forma preventiva, ao realimentar pacientes desnutridos, devem ser sempre fornecidas quantidades suficientes de vitamina B13.


Leia também: Nutrição parenteral intradialítica (NPID) contribuindo com a melhora do estado nutricional


Recuperação de pacientes queimados

Já a deficiência de algumas vitaminas em pacientes queimados reduz a resistência de micro-organismos e aumenta a taxa de infecção por bactérias, fungos, parasitas e vírus. Assim, a suplementação é fundamental para evitar esses problemas. Além disso, alguns nutrientes têm ação específica na recuperação dos pacientes, segundo artigo publicado na Revista Brasileira de Queimaduras4.

  • A vitamina C é necessária para acelerar a cura dos ferimentos, devido à sua ação antioxidante, contribuindo positivamente para a cicatrização das feridas;
  • A vitamina E previne a oxidação das membranas e também auxilia na aceleração da cicatrização;
  • Pacientes com queimaduras graves, muitas vezes, exigem até 20 vezes mais que a dose diária recomendada de vitamina A; utilizada para manutenção da epiderme normal e para síntese de glicoproteínas e prostaglandinas4.

O artigo enfatiza que a via parenteral é a única maneira de fornecer grandes quantidades de micronutrientes que são necessários durante as primeiras duas semanas após o traumatismo.

Entre os microminerais, há dois destaques:

  • Há indícios de que a suplementação de selênio contribuiria para a redução do tempo de permanência do paciente na UTI – o mineral é um importante antioxidante, além de se necessário para a função das células imunes;
  • O zinco é necessário para a síntese de colágeno, acelera o processo de cicatrização das feridas e é utilizado na produção de anticorpos4.

Gostou desse artigo? Leia mais sobre Nutrição Parenteral aqui.

PDF: Micronutrientes: “Macrorelevantes” nos Pacientes em Terapia Nutricional.

Referências

  1. CARVALHO, W. B. Necessidades de micronutrientes em nutrição parenteral. Rev. Assoc. Med. Bras. 49 (2). Jun. 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302003000200021. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. Seyffarth, A. S. Os alimentos: calorias, macronutrientes e micronutrientes. Manual do Profissional SBD 2007 c.1 1-7. Disponível em: https://crn5.org.br/wp-content/uploads/2013/05/Manual-Calorias-Macronutrientes-e-Micronutrientes.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. COMPÊNDIO DE NUTRIÇÃO PARENTERAL. Frenesius-kabi 1-116.

  1. Stein, M. H. S.; Bettinelli, R. D.; Vieira, B. M. Terapia nutricional em pacientes grandes queimados – uma revisão bibliográfica. Rev Bras Queimaduras2013;12(4):235-244. Disponível em: http://rbqueimaduras.org.br/details/180/pt-BR/terapia-nutricional-em-pacientes-grandes-queimados—uma-revisao-bibliografica. Acesso em: 24 jun. 2021.
  1. Recomendações Nutricionais para Adultos em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral. Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Sociedade Brasileira de Clínica Médica; Associação Brasileira de Nutrologia. 2011. Disponível em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/recomendacoes_nutricionais_de_adultos_em_terapia_nutricional_enteral_e_parenteral.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.

  1. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Manual de Calorias e Micronutrientes. 2006/2007. Disponível em: https://crn5.org.br/wp-content/uploads/2013/05/Manual-Calorias-Macronutrientes-e-Micronutrientes.pdf. Acessado: 05 ago. 2021.